Gêneros e práticas de subjetivação: sujeições, insurreições e estéticas da existência

Dias
Horas
Minutos
Segundos

A partir de R$24,00

“Gêneros e práticas de subjetivação: sujeições, insurreições e estéticas da existência” trata-se de um livro organizado e escrito por professores/as e pesquisadores/as que, nas suas escritas e vivências, demonstram a necessidade de colocar à tona assuntos tão relevantes como, por exemplo, educação, gêneros, diversidade sexual, etnias, corpos, existências, artes, mídias.

Essa obra reúne discussões indispensáveis para pensarmos o movimento social/cultural/político. Sobretudo num momento em que o Brasil assiste e enfrenta um (des)governo federal que inferioriza o conhecimento científico e os temas relevantes relacionados principalmente à diversidade humana.

Assim, o material ora apresentado tem uma potência gigantesca de contribuir para que as mais variadas formas de existir sejam pensadas e repensadas, em um movimento de reconhecimento das diferenças e da pluralidade. É inescusável armar pessoas com as ideias postas nessa coletânea.

Limpar

  • Editora: Brazil Publishing
  • Idioma: Português
  • Ano: 2020
  • Tamanho: 16x23 cm
  • Páginas: 198
  • ISBN: 978-65-5861-042-7
  • eISBN: 978-65-5861-041-0
  • DOI: 10.31012/978-65-5861-041-0

Informação adicional

Peso 313 g
Dimensões 160 × 230 × 11 mm
Tipo do Livro:

E-book, Livro Físico

Autor(es):

Organizador(es):

Descrição

Na perspectiva afro-brasileira, a encruzilhada se configura como lugar de encontro das possibilidades de existência, onde o direito a humanidade é garantido a todos os tipos de corpos, sexualidades, territorialidades e gêneros. Nesse cenário, esta coletânea finca uma intersecção de pesquisadores/as que dão sentido a um cruzamento de textos sobre gênero e subjetivações. O trato com as subjetivações nos convida a ressignificar o olhar sobre o nosso próprio corpo-território e as relações com as outras estéticas de existência que nos circundam. Destarte, a encruzilhada reforça um caráter ético, estético, político e pedagógico propício para as circularidades das vozes subalternizadas nas relações da colonialidade do poder. Reconhecer as opressões do cis-tema hetero-racista-patriarcal é fundante no ato de (re)existir perante aos ataques de um sistema mundo que, desde a sua expansão colonial, perpetuou um legado civilizatório de epistemicídios, bem como a padronização das espiritualidades e suas performatividades sociais. A escola, a universidade, a família, as ruas, as igrejas e demais espaços de socialização são articulados por moralidades pautadas e legitimadas em práticas de extermínios de subjetivações inadequadas às ideologias de docilização dos corpos-territórios. Portanto, tensionar a monocultura da existência do cis-tema hetero-racista-patriarcal é urgente para os grupos que visam o fortalecimento de uma sociedade justa e democrática. O convite à leitura desta coletânea perpassa, também, por um compromisso político de ouvir as narrativas dos nossos pares e das nossas aliadas, cujas potências nos atravessam, provocam rachaduras e nos leva a reterritorializar os nossos corpos-territórios e forjar uma outra postura insurgente.