O cuidado como potência: entre o público e o privado e as lideranças de mulheres nas comunidades remanescentes de Quilombo Aldeia e Toca de Santa Cruz

A partir de R$24,00

Através do trabalho de campo nas comunidades Aldeia e Toca de Santa Cruz, das relações estabelecidas com as mulheres desses locais e de suas narrativas biográficas, esse trabalho busca entender a recorrência de lideranças de mulheres nas comunidades quilombolas levando a sério as concepções locais.

Limpar

  • Editora: Brazil Publishing
  • Idioma: Português
  • Ano: 2020
  • Tamanho: 14x21 cm
  • Páginas: 244
  • ISBN: 978-65-5016-208-5
  • eISBN: 978-65-5016-209-2
  • DOI: 10.31012/978-65-5016-209-2

Autor(es):

Organizador(es):

Descrição

O presente trabalho tem por objetivo responder à pergunta que me levou a realizar a pesquisa: por que tantas mulheres líderes em comunidades quilombolas em Santa Catarina e no Brasil? Percebendo que as mulheres não podem ser vistas de forma singular e que as construções de gênero variam nas diferentes sociabilidades, me pergunto o que realmente significa o fato de essas mulheres estarem nas lideranças e se isso seria uma ruptura das mulheres dessas comunidades com a dominação masculina e com a determinação de que seus lugares são os ligados aos espaços domésticos ou estaríamos diante de uma construção de mundo que concebe público e privado de forma distinta. Através do trabalho de campo nas comunidades Aldeia de Imbituba/SC e Toca de Santa Cruz em Paulo Lopes/SC, das relações estabelecidas com as mulheres desses locais e de suas narrativas biográficas, esse trabalho busca entender as lideranças de mulheres nas comunidades quilombolas nos termos locais, não pressupondo dicotomias ocidentais, presentes no feminismo hegemônico, tais como feminino/masculino ou privado/público.