Revisitando Foucault e outros textos em questão penitenciária

A partir de R$36,00

O livro reúne textos teóricos e indicações de pesquisas empíricas capazes de produzir um diferente olhar sobre a Questão Penitenciária. Tensiona dimensões da trajetória punitiva brasileira e privilegia a proposição de instrumentais cognitivos embasados em diferentes referenciais teóricos: Michel Foucault, Pierre Bourdieu, Edgar Morin, Giorgio Agamben.

Limpar

  • Editora: Brazil Publishing
  • Idioma: Português
  • Ano: 2019
  • Tamanho: 14,8x21 cm
  • Páginas: 184
  • ISBN: 978-65-5016-055-5
  • eISBN: 978-65-5016-056-2
  • DOI: 10.31012/978-65-5016-056-2

Autor(es):

Organizador(es):

Descrição

O “bom presídio” é um mito! A Questão Penitenciária – expressão dos paradoxos entre as promessas discursivas de um castigo pretensamente civilizado e a realidade da execução penal, bem como das configurações prisionais – requer exigente vigilância epistemológica para ser enfrentada. São sedutoras as armadilhas existentes para pesquisadores e gestores que, não obstante suas eventuais boas intenções, não se acautelam perante as trampas do dilema de punir sem descivilizar. Este livro reúne textos teóricos e indicações de pesquisas empíricas capazes de produzir um outro olhar sobre a Questão Penitenciária. Tensionando dimensões da trajetória punitiva brasileira – passado e presente – privilegia a proposição de instrumentais cognitivos embasados em diferentes referenciais teóricos: Michel Foucault, Pierre Bourdieu, Edgar Morin, Giorgio Agamben. Se o castigo é uma instituição social – como sustenta David Garland – a prisão não é um mal necessário, mas sim um dispositivo sociohistoricamente determinado. No Brasil, os cárceres de instituições limítrofes ente civilização e barbárie, caracterizam-se pela crueldade institucional. Contribuir para que se desvele de forma cognitivo-crítica e se enfrente de forma político-racional este “estado das coisas” é o objetivo desta obra… que põe dedos na ferida!