Violência, gênero, saúde e fronteira(s): Diálogos interdisciplinares

Dias
Horas
Minutos
Segundos

A partir de R$20,00

A coleção “Diálogos sobre Violências, Saúde e Fronteira” visa reunir estudos interdisciplinares, sobre: violência contra a mulher e seus desdobramentos, construção da identidade, relações de trabalho, condições de saúde, educação e políticas públicas com ênfase para o contexto fronteiriço.

Limpar

  • Editora: Brazil Publishing
  • Idioma: Português
  • Ano: 2020
  • Tamanho: 14x21 cm
  • Páginas: 196
  • ISBN: 978-65-5861-268-1
  • eISBN: 978-65-5861-269-8
  • DOI: 10.31012/978-65-5861-269-8

Autor(es):

Organizador(es):

Descrição

Saúde e Violência consistem em fenômenos que carecem de estudo, seja na fronteira do humano, de epistemologias ou ainda, na fronteira internacional, propriamente dita. Ao que tange este último entendimento, a região de fronteira testemunha um processo de transfronteirização, que permeia uma localidade que abarca distintos processos familiares, econômicos, profissionais e legais. Ou seja, a fronteira agrega uma bagagem cultural específica, com potencialidades específicas deste contexto que transcende a linha internacional de cada país. A saúde na fronteira brasileira é parte do ordenamento das políticas públicas do ter­ritório nacional. Desde a sua implantação em 1990 o SUS promoveu avanços importantes nestes espaços, no entanto, o mesmo carece de estudos e atuações interdisciplinares de profissionais de saúde, bem como da criação e manutenção de políticas públicas que promovam a saúde em nível de integração local e regional. A violência em região de fronteira precisa vista como um fenômeno complexo atravessado por legislações, aspectos históricos, geográficos, políticos e culturais. Tratando especificamente sobre a violência contra a mulher, as latino-americanas que habitam em região de fronteira brasileira, além do machismo estrutural, vivenciam a vulnerabilidade socioeconômica marcada pelo narcotráfico, aquisição facilitada de armas de fogo e o reconhecimento legislativo tardio do crime de feminicídio, o que contribuem para a perpetuação da prática de crimes letais intencionais contra essas mulheres.